domingo, 11 de abril de 2010

1o ano - As Fontes de Conhecimento Sobre a Pré-História

Conhecer essa história humana é um desafio ao conhecimento.
A escassez de documentos leva os pesquisadores a se valerem outros campos de conhecimento para tentarem entender as primeiras ações do homem na Terra.
Não só pela interpretação do historiador è conta com a ajuda de antropólogos, físicos, arqueólogos, biólogos, químicos, paleontólogos...

Assim é possível conhecer as conquistas do homem sobre a natureza, como viviam, seus hábitos, relações interpessoais, construção de utensílios, as primeiras habitações, o desenvolvimento da arte rupestre e o domínio da agricultura, que são algumas das grandes e curiosas informações históricas.

A ARTE RUPRESTE

A arte rupestre é definida como o amplo conjunto de desenhos, pinturas e inscrições realizadas pelo homem pré-histórico. Geralmente aparecem no interior de cavernas e em outras superfícies rochosas marcadas pela presença humana.

INTERDISCIPLINARIDADE
A História é uma disciplina que não está ilhada. Para estudar o conhecimento humano, ela se comunica com outras disciplinas, que auxiliam seu estudo.
Entre estas ciências auxiliares, podemos citar, a Antropologia (estuda o fator humano e suas relações), a Paleontologia (estudo dos fósseis), a Arqueologia (estuda ruínas, objetos antigos), a Paleografia (estudo das escritas antigas), entre outras.

E também, a Psicologia (comportamento humano), a Filosofia (pensamento crítico humano), a Geografia (localização), Quimica (datação, composição), Arte (estilo, forma).
Heráldica (emblemas e brasões); Epigrafia (inscrições lapidares); Numismática (moedas); Genealogia (linhagens familiares)

Não se passa pela vida sem deixar marcas. Um objeto, uma obra, um desenho, uma canção, uma carta, uma hipótese formulada… são traços da passagem do homem. Todo e qualquer vestígio do passado, de qualquer natureza, define o documento histórico.
Quantas vezes, porém, não foi tentada a falsificação de documentos históricos?
Por isso existem processos cientificos para cuidar da verificação e investigação da autenticidade das fontes históricas

DATAÇÃO POR CARBONO 14
Onde os cientistas usam a radioatividade para determinar a idade dos objetos.
A datação por carbono 14 é uma maneira de determinar a idade de certos artefatos arqueológicos de origem biológica com até 50 mil anos. Ela é usada para datar objetos como ossos, tecidos, madeira e fibras de plantas usados em atividades humanas no passado relativamente recente.

COMO É CRIADO O CARBONO 14
Todos os dias, raios cósmicos entram na atmosfera terrestre em grandes quantidades. Cada pessoa é atingida por cerca de meio milhão de raios cósmicos a cada hora. Através de reações, se transforma em um átomo de carbono 14, que combinados com oxigênio para formar dióxido de carbono, que as plantas absorvem naturalmente. Como os animais e humanos comem plantas, acabam ingerindo o carbono 14 também.

Assim que um organismo morre, ele para de absorver novos átomos de carbono. Após a morte dos seres vivos, acaba esta absorção e o C14 começa a desintegrar-se num período que se conhece (metade do carbono 14 desintegra-se a cada 5730 anos); o período de tempo que decorreu desde a morte da planta ou do animal pode então ser medido em laboratório.

O método não é por isso adequado à datação de fósseis que têm idades na casa dos milhões de anos e que são datados por métodos estratigráficos.

A estratigrafia é o ramo da geologia que estuda as camadas de rochas, buscando determinar os processos e eventos que as formaram. Basicamente segue o princípio da sobreposição das camadas

Nenhum comentário:

Postar um comentário