terça-feira, 7 de setembro de 2010

2o Ano - 3o Bimestre- Respostas Situação Aprendizagem 2

CENTRALIZAÇÃO E FRAGMENTAÇÃO: PROCESSOS DE INDEPENDÊNCIA E FORMAÇÃO TERRITORIAL DA AMÉRICA LATINA

Pag. 11


Pag. 12
1. Centralização pela colônia Portuguesa (Brasil)
Fragmentação pela Colônia Espanhola

2.
a) Os climas remotos, as situações diversas e os interesses opostos.

Pag. 13
b) Climas remotos: A vastidão da colônia espanhola que ia desde o sul do atual Estados Unidos, onde está a Flórida, até o Chile e suas diferenças climáticas estabelecidas por uma geografia continental.

c) Situações diversas: Entre elas, a lealdade de algumas regiões à monarquia espanhola e aos diferentes processos de independência já vivenciados antes de 1815, como é o caso do Paraguai e do México.


Pag. 14. Lição de casa

Motivos da manutenção de nossa unidade territorial: Podemos citar a chegada da família real portuguesa em solo brasileiro, algumas liberdades aos colonos, abertura dos portos, elevação do Brasil à condição de reino unido. Além disso, a unidade também foi mantida por meio de guerras e por um governo centralizado, com fortes tendências absolutistas.

Diferenciação da América Espanhola: A nossa independência foi feita por membro da Família Real (D. Pedro I), visto como legítimo herdeiro até pelos portugueses e sua aceitação pelas elites brasileiras.

Pesquisa Individual:
a) A tragédia do Brigue Palhaço, também referida como massacre do Brigue Palhaço, foi um episódio da História do Pará, ocorrido na cidade de Belém em 1823, no contexto da Guerra da Independência do Brasil (1822-1825). Na noite do dia 16 de Outubro de 1823, um grupo de soldados do 2º Regimento de Artilharia de Belém e de desordeiros embriagados, voltou a efetuar ataques a estabelecimentos comerciais portugueses na cidade, iniciados na noite anterior. Como estavam sem controle, tropas detiveram e recolheram à cadeia todas as pessoas encontradas pelas ruas e casas suspeitas. No dia 17 foram fuzilados cinco indivíduos. Os soldados, inclusive os cidadãos detidos na noite anterior, em número de duzentos e cinqüenta e seis, foram recolhidos à cadeia pública até ao dia 20, quando foram transferidos para bordo de um brigue no porto, denominado "São José Diligente", depois "Palhaço". Foram confinados no porão, fechadas as escotilhas e com apenas uma pequena fresta para a entrada de ar. Com a superlotação e ao calor, os prisioneiros começaram a se rebelar. Foram lançadas água do rio aos prisioneiros que só piorou a situação. Foram então disparados alguns tiros de fuzil para o interior do porão e jogado cal viva, cerrando a abertura do porão. No dia seguinte contaram-se duzentos e cinquenta e dois mortos e quatro sobreviventes, dos quais, no dia seguinte, apenas um resistiu.

Pag. 15
b) A Confederação do Equador foi um movimento revolucionário, de caráter emancipacionista e republicano ocorrido em 1824 no Nordeste do Brasil. Representou a principal reação contra a tendência absolutista e a política centralizadora do governo de D. Pedro I (1822-1831), esboçada na Carta Outorgada de 1824, a primeira Constituição do país. Tomado por essa orientação contraditória de sua carta constitucional, o governo de Dom Pedro I acabou sendo alvo de diversos ataques políticos bem como de revoltas. Naquele mesmo ano um grupo de habitantes de Pernambuco iniciou um movimento antimonarquista. Tal oposição originou-se nas constantes crises da economia regional e as cargas tributárias impostas pelo governo.

c) A Guerra da Cisplatina foi um conflito que ocorreu de 1825 até 1828, envolvendo os países Brasil e Argentina, motivado pelo domínio da Província de Cisplatina, atual Uruguai, uma região que sempre foi cobiçada pelos portugueses e espanhóis. Em 1680, Portugal fundou a região Colônia do Sacramento, primeiro nome dado á região de Cisplatina. Em 1777, o território passou a ser posse da Espanha.Em 1816, a coroa Portuguesa, que estava no Brasil, ocupou novamente a região, nomeando-a como Província da Cisplatina. No ano de 1825, um novo movimento surge em prol da libertação da província. Mas os moradores de Cisplatina se recusam a fazer parte do Brasil, e João Antonio Lavalleja, organiza um movimento para declarar independência da região. A Argentina por interesse no território da Cisplatina, ajuda o movimento com força política, armas, alimentos, etc. O Brasil declarou guerra à Argentina e aos revoltosos da região de Cisplatina. Com isso muito dinheiro público foi gasto, desequilibrando a economia brasileira. E além de tudo, o Brasil foi vencido na batalha.
No ano de 1828, sob interferência da Inglaterra, foi firmado um acordo entre Brasil e Argentina, que foi marcado pela independência da Província da Cisplatina seria independente deixando os brasileiros mais insatisfeitos com o governo.

Pag. 16 – Pesquisa em Grupo – Maria Quitéria
Papel das mulheres: Donas de casa, mães, pouco estudo, dependiam do homem.
Como foi para o exército: cortou o cabelo, vestiu-se de homem, se alistou com o nome de Medeiros no Batalhão dos Voluntários do Príncipe
Sua farda: punhos e gola de cor verde, acrescentado saia
Principais Batalhas: Guerras da Independência
Seus Ideais: Liberdade contra domínio português
Morreu esquecida: morosidade da justiça em herdar bens do pai. Pobre quase cega
Sua valorização póstuma: Em 1996, o presidente Fernando Henrique Cardoso reconheceu Maria Quitéria como Patrono do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro

Lição de CasaÇ
A colonização passou a ser discutida nos séculos XVIII e XIX, quando a elite crioula questionou os abusos de privilégios e poder, além do controle do comércio e da imprensa.

Pag. 17
2. O Iluminismo, o Liberalismo e o Nacionalismo influenciaram a criação de repúblicas e as lutas pela independência.

3.
a) Significa exploração e refere-se ao domínio colonial mercantilista português no Brasil.
b) Não houve alteração na estrutura social no Brasil após a Independência de 1822, a escravidão continuou sendo a base do trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário